As CowParade voltam ao Brasil

Essas vaquinhas fofas e coloridas e cheias de personalidade voltam ao Brasil.

E a primeira cidade é São Paulo,  a primeira cidade da América do Sul a receber a exposição que está exposta  na cidade desde o dia 22 desde mês.  E estará exposta durante 2 meses para os fanáticos por vaquinha.

Croquis da Cowlorida Voadora, de Cako Martin, ilustrador e diretor de arte da agência Y&R

Com os 456 anos da cidade de São Paulo, o público foi presenteado com a maior exposição a céu aberto do mundo. Pela segunda vez, até 21 de março, a CowParade alegrará as ruas com um inusitado rebanho colorido e irreverente com cerca de 90 vacas em tamanho natural, feitas em fibra de vidro, criadas especialmente para o evento e assinadas por artistas plásticos, designers, grafiteiros, arquitetos que vivem e são apaixonados por São Paulo.

Essa é a Psicowdelic obra de Glauco Diogenes + Paola Lopes & Arimateia

A CowParade, mostrará obras assinadas por Inez Saragoza, Sônia Menna Barreto, Maramgoní, Marcelo Faisal, Marcello Serpa, Hans Hossi, Morandini, Reynaldo Berto, Luciana Mariano, C. Sidoti, Antonio de Olinda, Glauco Diógenes, Lucas Pennachi, Toligadoboe, entre outros.

As vaquinhas estarão espalhadas pela cidade em pontos de grande fluxo de público, como Av. Paulista, Av. Brig. Faria Lima, Oscar Freire, Av. Cidade Jardim, Av. Henrique Schaumann, estações do Metrô, rodoviárias, museus, shoppings, parques e praças.

As obras que serão expostas, foram patrocinadas por 27 empresas privadas, além das produzidas pela TopTrends, detentora dos direitos de produção do evento no Brasil. Todas as 90 criações da CowParade serão leiloadas ao final da exposição, em abril, e a renda será destinada a obras sociais da Fundação Gol de Letra e ONG Florescer, de Paraisópolis.

Cowgestionamento obra de Patricia Nascimento

Seus nomes e temas criativos, em alguns casos, brincam com o termo gerando divertidos títulos para as peças que remetem à fantasia, chamam atenção para problemas e belezas da cidade, homenageiam figuras pop, discutem assuntos atuais do dia a dia de uma das maiores metrópoles do mundo.  “cow”Cowgestionamento, atenta para o calvário que é nosso trânsito; Cowçada, Vaca de Sampa, Pujança, Urbana, Vaca da Garoa homenageiam a cidade; Vaca Tattoo, Do Pasto à Passarela lembram as diferentes tribos que circulam incansáveis; Cicowvia, 100% Brasileira, Vá Carbono, Cowleta Seletiva falam de sustentabilidade, fazem lembrar que precisamos poluir menos e cuidar mais da cidade e do mundo; a PsiCOWdelic traduz a versão tupiniquim da psicodelia misturando cores vivas, e a Micowjackson, Cowlorida, Cowfeína, Wooooodstock, confirmam que o bom humor persiste, mesmo dentro do caos. E é essa a proposta da CowParade, levar por onde passa a arte, beleza, integração, cultura e muita alegria.

A CowParade começou em 1998 quando o artista suíço Pascal Knapp criou diversas esculturas em formato de vaca com a intenção de provocar o riso. Em 2000, os direitos das esculturas foram comprados pela americana CowParade Holding Inc. e outras 4 mil vacas foram criadas e expostas em 58 cidades do mundo.

É um dos poucos projetos que envolvem a comunidade por inteiro: empresas, artistas locais, terceiro setor e o público, todos trabalhando em conjunto para a criação e o sucesso do evento cujo objetivo é valorizar a arte, embelezar a cidade, proporcionar uma forma de entretenimento e democratizar a cultura.

Micow Jackson obra de Antonio Pedro e Marcela Ayd

Números e curiosidades da CowParade

  • Arrecadou US$ 21 milhões para ações de responsabilidade social no mundo todo;
  • Movimenta US$ 75 milhões em produtos de licenciamento;
  • Foi eleita como uma das 10 maiores ideias de marketing entre mil, em 200, pelo jornal Advertising Age;
  • A exposição já passou por 58 cidades pelo mundo;
  • Já foram criadas 4.400 vacas;
  • São Paulo foi a primeira cidade da América do Sul a receber a exposição.

Obra Que vaca, Brother do artista Carlos Roberto de Gusmão Baptista


Mais informações no site:  http://www.cowparade.com.br/blog/

Anúncios

27 de janeiro de 2010. Tags: . Variedades. Deixe um comentário.

Uma Voltinha pelo Rio

Não é segredo pra ninguém sobre o quanto eu amo esta minha CIDADE MARAVILHOSA chamada Rio de Janeiro. Por mais que os Jornais e que as pessoas falem que aqui é violento, perigoso e etc. Eu continuo amando ela. E eu nunca fui assaltada Graças a DEUS e espero que continue assim.

De vez em quando me da uma vontade louca de ir á praia, então eu pego o ônibus e vou. Isso mesmo sozinha, porque já desisti de chamar os outros, porque toda vez há uma desculpinha, então eu saio mesmo pego o ônibus 126 ou 127 que deixam praticamente em cima da praia. Das praias da Orla Carioca eu prefiro a do Arpoador ou do Leblon, mas quase sempre vou no Arpoador. A de Copacabana é bonita e talz, mas infelismente é muito suja água parece caldo de cana e em alguns pontos há esgoto depejado diretamente no mar. Então HELLO Autoridades Públicas?! Ningém gosta de tomar banho em praia suja. E frequentadores das praias vamos ter um minimo de conscientização e vamos deixar o lixo no seu devido lugar na LIXEIRA ou senão tiver lixeira por perto vamos carregar uma sacolinha e depois jogar fora, creio eu que não vai cair a mão de ninguém em praticar este simples ato.

Mas vontando aonde eu estava, eu nunca desço no ponto certo do Arpoador acabo sempre descendo em Copacabana e aproveito para dar uma caminhadinha e aproveitar aquela bela vista… =D

Vista da Praia de Copacabana

Calçadão de Copacabana

Na Rua

Amiguinho indesejavelAmiguinho Indesejável

Encontrei no parque em frente ao a praia Arpoador vários grafites nos murros, achei lindos e muito criativos! fiquem ae com um pouco de Arte Urbana:

Fachada da Tok Stock

BUUUU!

Anti Art, heim?!

A revolta da Natureza

Flowers

The Fish

Plante um árvore, a Natureza Agradece!

Twitter

2 de janeiro de 2010. Tags: , , , , . Variedades. Deixe um comentário.